Baratas? Você não precisa conviver com elas

Há quem diga que se um meteoro caísse na Terra, as baratas seriam as únicas sobreviventes, tamanha é a resistência delas.

Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no mundo existem cerca de 20 espécies de baratas domésticas. No Brasil, a maioria delas são de hábitos silvestres, dividas entre: as francesinhas (Blatella germânica) e as de esgoto (Periplaneta Americana).

Embora elas sejam muito comuns de serem vistas nas grandes cidades, não devem ser menosprezadas e precisam ser combatidas. Afinal, são consideradas nocivas à saúde e, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), podem transmitir doenças causadas por bactérias, como a furunculose; lepra, tuberculose, poliomielite e diarreia.

Por isso, não hesite em combatê-las, acionando por exemplo, a Sthil Dedetizadora, especializada em dedetização e desinsetização de baratas. A empresa atende toda a São Paulo, incluindo os serviços como desentupidora em Guarulhos e outras regiões.

5 dicas para evitar a proliferação

– Evite acumular os restos de alimentos sobre a pia ou no chão da cozinha, e mantenha o lixo em recipientes fechados, já que ele é um dos principais vetores de atração das baratas e elas são totalmente adaptáveis.

– Fique atento ao armazenamento de materiais como: cola, sabões e papelão, pois eles são fontes de hidrocarbonetos (composto químico), considerado um banquete para as baratas. Evite também amontoar caixas de papelão, jornais e revistas.

– Remova e destrua as ootecas (ovos de baratas).

– Verifique periodicamente as frestas e cantos de armários e paredes.

– Coloque tampas em ralos de áreas lavadas.